Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Nossas Estrelas

O principe e a princesa que vieram iluminar a nossa vida

As Nossas Estrelas

O principe e a princesa que vieram iluminar a nossa vida

18
Set08

A nova escola

A Nossa Estrela

O Príncipe começou a frequentar a escola nova no passado dia 10 de Setembro, uma mudança que a mamã ansiava, ele...talvez nem tanto...

 

No dia em que fomos à entrevista com ele perguntei-lhe se queria ir para aquela escola, ao que me perguntou:

- E os meus colegas também vêm?

Tive que responder que não, mas relembrei-o que esta nova escola era a da B., afilhada da mamã. Depois da entrevista fomos visitar as instalações e ele mostrou-se muito interessado e gostou bastante, principalmente dos recreios, interior e exterior.

 

O dia 10 de Setembro chegou e lá fomos com um chapéu novo e uma bata nova. O Príncipe ia muito feliz e curioso e convencido que a escola antiga tinha fechado. A mamã ia ansiosa sem saber como iriam correr as coisas.

 

Tudo correu bem, gostou imenso, todos os dias fala imenso da escola nova, do que faz, dos colegas, mas hoje....

 

...hoje vim da escola de rastos!

 

Esta nova escola é consideravelmente maior do que a antiga. Têm mais regras, uma delas é que os meninos são entregues às auxiliares no recreio (interior ou exterior, dependendo do tempo) e só quando a Educadora chega é que podem ir para as respectivas salas, por volta das 9h30m. Ontem quando o entreguei mostrou-me vontade em ficar na sala a pintar um livro que levava, como não era possível, ainda choramingou um pouco, mas com a ajuda de um coleguinha dele (um querido) lá ficou bem disposto e a dizer que estava apenas a brincar...um malandro!

 

Hoje, após colocarmos o casaco no cabide dele e quando nos dirigíamos com a auxiliar para o recreio, começou a agarrar-se a mim e a chorar, chorava compulsivamente e eu não percebia o que se estava a passar. A muito custo lá consegui perceber que não queria ficar no recreio, que queria ir para a sala dele, mas infelizmente isso era impossível. Entretanto chegou a Educadora e passado um pouco começou a chamar os meninos para a sala e nessa altura já nem para a sala ele queria ir. Agarrava-se a mim e chorava. Eu estava despedaçada sem saber muito bem o que fazer, ao fim de três anos de escola, esta foi a primeira vez que isto aconteceu.

 

A situação tinha que se resolver e prolongar todo aquele cenário era mau, por isso a Educadora veio tirar-mo do colo, eu sei que tinha que ser assim...mas custou! Ainda lhe dei um beijinho e disse-lhe que gostava muito dele!

 

Naquele momento fiquei sem chão, devo ter ficado com uma cara de tal maneira aflita que uma outra auxiliar veio ter comigo e disse-me que ia ver como é que ele estava. Foi e quando voltou disse-me que já tinha parado de chorar e estava "apenas" a soluçar. Tentou tranquilizar-me e disse-me que ele ficaria bem. Disse ainda que por vezes, os meninos novos, de apenas 3 aninhos, que têm de partilhar aquele recreio com os mais velhinhos de 5 anos, mostram-se por vezes desconfortados.

 

Fui para o trabalho, mas na viagem de carro as lágrimas corriam-me pela face, a angustia não passava e liguei para o colégio para saber como ele estava. Disseram-me que estava tudo bem e já estava a brincar como se nada se tivesse passado. Fiquei um pouco mais tranquila.

 

Por volta do meio-dia voltei a ligar, se me quisessem chamar chata que chamassem, eu tinha que ter mais noticias. Nessa altura falei mesmo com a Educadora que confirmou que estava tudo bem, tinha estado a fazer ginástica e já tinha almoçado, estava tudo bem com ele.

 

A esta altura já eu estava consideravelmente mais tranquila, também não acredito que queiram ter uma criança angustiada e com mau estar numa sala.

 

A avó L., quando o recebeu, vindo da escolinha, verificou que estava muito bem disposto e fartou-se de brincar com ela e de andar de bicicleta. Quando eu cheguei, sozinha com ele, falei no que se tinha passado e ele levou tudo um pouco na brincadeira e disse que amanhã não ia chorar...vamos ver.

 

Tentei estar atenta ao comportamento dele, verificar se o comportamento dele estava a ser igual ao dos outros dias e sinceramente pareceu-me que sim, mas nos próximos dias vou estar alerta....

 

É neste momentos que me questiono se fiz bem em mudá-lo de escola e a resposta que encontro continua a ser a mesma...fiz bem. Para a escola antiga também ia começar a ter que partilhar o espaço com meninos mais velhos, se calhar até mais do que 5 anos, por isso...isto também poderia acontecer. Para além disso, um simples episódio como este (que para mim de simples não teve nada) não pode ser o critério de avaliação de mudança de escolinha.

 

Espero sinceramente e acredito que o dia de amanhã vai ser melhor e tudo vai voltar à normalidade.

 

Beijinhos

Sandra

 

7 comentários

Comentar post